domingo, 13 de março de 2011

O estilo de vida das novas gerações está desenvolvendo uma comunicação com tal mobilidade que, sem exagero algum, poderia ser chamado de volátil.
Conseguir fidelidade de qualquer leitor, mas especialmente dos jovens, exige que se coloque em prática uma série de técnicas muito mais dinâmicas e inteligentes que as do passado. Que o caminho mais curto para atingir esse público leitor é a imagem.
Na verdade, a imagem é uma ferramenta poderosa para dar vida a um texto, porque afeta o humor e o humor afeta o comportamento.
Esta dinâmica, vinculada à uma nova estética, mais democrática e permissiva, é um ingrediente essencial na “nova literatura”
O que os leitores vêem, escutam e cheiram, afeta não apenas sua maneira de agir, como também suas emoções, sua memória e sua conexão com o imaginário do texto.
O trabalho com designer e imagens nos permitiu compreender que a diferenciação sem igual, uma característica original no padrão da “nova literatura”, pode estimular mais de um sentido simultaneamente.

Hoje vemos novos leitores, cada vez mais pessoas lêem, embora muitas delas nunca tenham pegado um livro em suas vidas. Ora a literatura neste contexto, mesmo sem abandonar Gutemberg também deve se amoldar a este fluxo de leitores, que vêem a literatura de forma muito mais ampla, mais democrática e permeada de novos padrões estéticos.
Uma pessoa comum está exposta a 3 mil informações por dia.
Por isso, a “nova literatura” depende cada vez mais das experiências associadas a ela; música é fundamental, e imagens que marquem.
Construir uma literatura poderosa é um desafio. Os textos vivem ou morrem em cada contato com os leitores. No ritmo de vida atual, uma pessoa comum vê muitas informações por dia; nesse verdadeiro emaranhado, somente as experiências reais que envolvem mais de um sentido se destacam. Contudo, apenas os textos ou poesia que conseguem levar o leitor a uma experiência memorável mantém-se realmente vivo na lembrança do mesmo
Os momentos da verdade que ocorrem em cada leitura os textos crescem ou morrem de acordo com o que oferecem aos leitores. As imagens, os sons e os odores estimulam não apenas os sentidos, como também fortes recordações, elementos-chave na construção de uma ”nova literatura”.
A chave para esta Nova Literatura” é oferecer uma experiência inesquecível após a outra.”
Hoje as opiniões se propagam pela mídia em rede a uma velocidade vertiginosa.
Os seres humanos são animais sociais e o mundo virtual não tem feito mais que proporcionar um cenário infinitamente maior para expandir as oportunidades de compartilhar todo tipo de opiniões.
Com a acessibilidade total, em que as pessoas estão permanentemente conectadas pela internet, mensagens instantâneas, telefones móveis e blogs, o poder do boca-a-boca se multiplica em ritmo exponencial. Atualmente é difícil prever a repercussão que poderia ter uma experiência negativa.
Pensemos pois na nova poesia...

Artur Ghuma